2- TENDINITE CALCÁRIA

1- O que é tendinite calcária?

..........É uma doença caracterizada pela presença de calcificações dentro dos tendões que movimentam o ombro (supraespinal, subescapular ou infraespinal). Predomina em mulheres de 30 a 50 anos e no lado direito. Em 25% dos casos é bilateral.

2- Quais são as causas destas calcificações?

..........Há várias teorias. A mais aceita, baseia-se na presença de uma menor vascularização tendinosa, o que altera o metabolismo tecidual, levando ao depósito de cálcio. Não há relação com alimentação.

3- Quais são os sintomas?

..........O principal sintoma é a dor, que varia de leve a intensa, podendo ser crônica ou aguda. Na vigência da crise dolorosa pode ocorrer perda de movimentos.

4- O que determina a crise?

..........Não há relação entre o tamanho da calcificação e a intensidade dos sintomas. A crise ocorre quando o organismo, por acaso, reconhece a calcificação e tenta reabsorvê-la, causando tendinite e bursite por irritação química. Nesta fase, é comum a dor ser intensa. Este período pode durar dias ou semanas e acaba quando o organismo desiste de tentar reabsorver a calcificação. Na maioria das vezes, a calcificação não é totalmente reabsorvida, ficando o paciente sujeito a novas crises. A medicação e a fisioterapia tem um poder limitado no tratamento dessa doença.

5- Quais as conseqüências desta doença?

..........São comuns pacientes que relatam dor e limitação funcional a mais de 2 anos. Isto leva ao desenvolvimento de atrofias, contraturas musculares e vícios posturais, que podem causar o desenvolvimento da síndrome do impacto (tendinite e bursite por compressão mecânica).

6- Qual o tratamento? Qual o resultado com o tratamento?

..........O tratamento inicial é com medicamentos e fisioterapia. Quando os sintomas são crônicos ou quando o tratamento clínico não é efetivo, indica-se a videoartroscopia. Os resultados cirúrgicos são muito bons e não ocorre a recidiva das calcificações.

7- Quais são as vantagens da cirurgia por videoartroscopia em relação à cirurgia tradicional (com cortes)?

1) Estética - Menor cicatriz.

2) Menor agressão à anatomia - A videoartroscopia é uma técnica cirúrgica menos invasiva.

3) Curta internação hospitalar - Menos de 24 horas.

4) Menor intensidade de dor.

5) Início precoce da fisioterapia e retorno mais rápido às atividades.

6) Chance de melhor resultado pós-operatório - A videoartroscopia permite que o cirurgião visualize todas as estruturas do ombro de forma ampliada. As estruturas consideradas normais podem ser avaliadas por mais de um ângulo para se ter certeza de que estejam realmente normais. Visualizando-se alguma outra alteração, esta pode ser tratada na mesma cirurgia.

7) Baixo índice de complicações.